segunda-feira, 18 de julho de 2011

Livro do Carlos Colla

Meu grande amigo Carlos Colla, tambem parceiro  em algumas canções, vai lançar um livro. Pelo que conheço dele , deve ser um livro divertido e agradável.
 Veja o link abaixo onde ele próprio convida para o lançamento.
abraço
       Eduardo Lages

http://www.youtube.com/watch?v=V4kHEI9_H3U

sexta-feira, 1 de julho de 2011

Amigos do blog

Hoje começa o segundo semestre de 2011. É a partir de julho que o meio artístico começa a se movimentar. Tenho estado nos últimos meses estudando informática na música pois creio ser importante estar atualizado com as novas tecnologias. Apesar de achar que a partir da década de 90, a tecnologia foi privilegiada em detrimento da criatividade artística, resultando no que sobrou da música nos dias de hoje,  sempre que começo  algum projeto na minha carreira, levo a sério e vou até a exaustão naquilo que me proponho a fazer. Sempre fui assim, perseverante.
  Lembro bem , no início da profissão, nos meus vinte e poucos anos quando morava ainda em Niteroi, acordava diàriamente às 07:00 da manhã e me arrumava correndo pois trabalhava num estúdio de Jingles onde o expediente já começava às 09:00,  no centro do Rio e era uma demorada locomoção de minha casa, na praia de Icaraí em Niteroi até o trabalho. Isso incluia alguns onibus e uma lenta barca que atravessava(até hoje atravessa) a Baia de Guanabara. Ficava nesse estúdio de 09:00 às 13:00, almoçava correndo e pegava um onibus do centro do Rio ao Jardim Botânico , onde se localizava a TV Globo-até hoje o depto. de jornalismo fica lá- e eu começava às 14:00 naquela Hollywood brasileira da época. Comecei lá num programa de humor chamado "UAU"  onde despontavam Agildo Ribeiro , Sandra Bréa e muitos outros que se tornaram famosos. O programa apesar de humorístico, tinha muito musical e essa parte passava por mim. Ao mesmo tempo, nessa época , eu selecionava calouros para o programa do Chacrinha. Antes eu já fazia seleção de calouros na TV Tupi para o programa "Flavio Cavalcante".
  Bem, eu ficava na Globo até às 18:30 e depois disso , ia dar uma dormidinha rápida na casa da minha querida cunhada Marizeth, que hoje vive em Madrid . Dormia de 19 às 20 horas e saia correndo para o Chiko's Bar onde , ao lado do meu pianista preferido Luisinho Eça(já falecido) eu começava às 21 horas e ia até às 02:00 , muitas vêzes aturando bêbados que chegavam depois da meia noite e me pediam músicas estranhíssimas para aquele ambiente. Um dia, um deles me pediu pra tocar a música
do papa João Paulo (A Benção João de Deus) e eu fui reclamar com o dono da casa, hoje um grande amigo, Chico Recarrey. O Chico me disse nesse dia com aquele sotaque galego; "Malandro, toca a música do Papa"  porque o cara que pediu a música estava tomando Champagne frances...
   Foi lá que eu ganhei a minha primeira gorjeta...em dolares, gentilmente oferecida por um turista nórdico...1 dolar...putz, que vergonha fiquei...
  Sempre gosto de falar do Chico Recarrey, conhecido aqui no RJ como "Rei da noite" pois apesar de todos os percalços da vida, nunca deixou de ser um amigo e incentivador...não esqueço nunca dos que me ajudaram.
Bem, após às 02:00 eu pegava um onibus de Ipanema , onde ficava o Chiko's bar e rumava para a Pça 15 de onde saía a barca de volta pra Niterói. Chegava em casa às 03:30 e me jogava na cama pra levantar outra vez às 07:00 da manhã...que dureza...mas que felicidade, um dia apareceu um Renault Gordini na minha vida. Os mais velhos sabem do que estou falando.
 E tudo isso foi bem depois de tocar o Hino Nacional todos os dias no meu Colégio Brasil com os alunos todos formados em fila, tocar orgão na paróquia do meu bairro e à noite tocar na "Zona".
  Que dureza...mas que felicidade!!!!
Um dia , consegui sair ileso do terrível incendio no Gran Circus Norte Americano em Niteroi, onde morreram mais de 1000 pessoas ...que triste!!! perdí alguns coleguinhas, fiquei sem tocar piano por dois ou tres meses...fiz uma música para os meus coleguinhas. Falo disso agora porque dias atrás,  dei um depoimento para o Mauro Ventura, jornalista brilhante do O Globo, filho do grande Zuenir Ventura que está escrevendo um livro sobre esse assunto. Acho que agora falei do dia mais triste da minha vida, assim voces ficam me conhecendo mais um pouquinho. Não tenho mais nada triste pra contar.
   Voces devem estar achando que estou escrevendo muito....estou mesmo....é reflexo dos comentários que li hoje no blog onde voces comemoram o aniversário da Juliana com tanto carinho...me deixaram muito feliz
     abraço a voces
        Eduardo