segunda-feira, 28 de setembro de 2009

Eu não estava só

A Solidão do palco

A vida inteira me acostumei a ter ao lado , no mínimo, uma pequena banda, um simples cantor, um quarteto vocal, uma grande orquestra , um grande coral . Ultimamente, volta e meia me encontro só no palco, muitas vezes em teatros municipais , na maioria suntuosos, opulentos e intimidadores. Como é assustador fazer show solo num teatro municipal. Que vontade louca de ter pelo menos um músico ao meu lado...quem sabe toda a platéia no palco comigo.
Ontem , me sentia nervoso com nunca, tocando no mesmo piano em que toquei há 57 anos atrás. Eu olhava pra ele ...parecia envelhecido...ou seria eu?...de repente tive a idéia de tocar uma valsa de Chopin, quem sabe ficaríamos mais íntimos, quem sabe nos tornaríamos cúmplices...toquei a música tentando explicar a platéia como foi a minha transição da musica clássica para a popular emendando com uma dos Beatles. Ao final da musica escutei uma voz de anjo que vinha lá de cima, do ultimo balcão superior do teatro : VOVÔ!!!!!....e eu sem saber quem era exatamente, perguntei em meio aqueles aplausos carinhosos : “Quem é?” ela respondeu: “Sou eu, Maria Fernanda” ...a minha neta mais nova, 3 anos.
Aí , vi que alem daquele “velho” piano que hesitava em me reconhecer, estavam presentes Deus, minha família , meus amigos e os que me seguem profissionalmente, Tudo ficou mais fácil. Eu não estava só.

Eduardo

domingo, 13 de setembro de 2009

Rubinho Barrichello - gente muito boa!!!


Parabens, Rubinho, duas vitórias seguidas.
Eduardo

sábado, 12 de setembro de 2009

Eu vou!!!!!!!!


Eu vou ao lançamento desse livro do Vinicius Faustini...
(Eduardo Lages)

quinta-feira, 10 de setembro de 2009

"NOSSAS CANÇÕES"


Acima, foto com Leonardo Ganen, Presidente da Som Livre


Enfim parece que o “NOSSAS CANÇÕES” está chegando às lojas. Foi bom saber que a primeira prensagem foi de 25.000 cds, o que mostra uma confiança da gravadora numa boa vendagem. Se compararmos com a primeira prensagem do meu primeiro cd, o “Emoções”, que foi de 1.500 cds podemos notar um grande aumento na expectativa de vendas.
O “Nossas Canções” foi gravado em meio a um turbilhão de compromissos meus com o RC , alem de viagens , shows, etc. O resultado desse empenho nos últimos meses de toda a produção e do próprio Roberto tem se refletido no êxito total dos shows, vendagens e tudo mais que cerca a grandiosa carreira dele e muita coisa ainda virá por aí.
Confesso que por várias vezes pensei em adiar para o próximo ano o lançamento de um CD novo , apesar de ter montado em casa uma estrutura para que eu pudesse realizar algumas gravações nos poucos momentos livres que tinha. Digo mais, ainda não ouvi o CD de forma atenta e crítica pela falta de tempo que ainda persiste. Agradeço a todo momento a Deus por essa “falta de tempo” já que tantos colegas músicos sofrem com o “excesso de tempo” por falta de trabalho nessa crise do mercado fonográfico e falência total do sistema (mídia em geral) que mantem o padrão da musica no nosso país.
Vocês, freqüentadores do blog, foram fundamentais na hora da definição de lançar ou não o CD já que tanto se movimentavam no sentido de encontrar o melhor repertório. Atribuo a vocês , parte dos erros e acertos desse CD...voces tambem são responsáveis e houve um fato aqui que muito influi na minha decisão de lançar o CD; em um determinado momento , pensei em gravar a música “Não quero ver voce triste” e convidar o meu amigo Milton Guedes pra fazer um solo de gaita nessa música. Qual não foi a minha surpresa quando no dia seguinte, li aqui um comentário(sugestão) do Everaldo Farias em que ele sugeria a gravação de “Não quero ver você triste” com um solo do Milton Guedes. Aí eu vi que havia realmente uma sintonia muito grande entre vocês e eu e não justificava o adiamento do lançamento. Resumindo , dedico esse CD a vocês que sempre aparecem aqui com uma palavra de estímulo e carinho.
Terminando essa história do CD , quero dizer a vocês que me diverti muito gravando a música “Negro Gato” onde toco todos os instrumentos da gravação através de teclados e instrumentos virtuais. Fiquei muito emocionado gravando “O tempo vai apagar” e “Confissão” . “Alem do horizonte” foi a primeira que gravei. Ao todo foram 6 meses de gravações.
Muitos me perguntam “qual dos CDs mais me agrada?”
Vou pensar bastante nisso e depois comento.
Não deixem de divulgar o livro "Diário de um Salafrário" do Vinicius Faustini

Eduardo